Ora-pro-nóbis

Ora-pro-nóbis ou “carne verde” é uma planta PANC,  utilizada com muita criatividade na culinária. 

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER

SOBRE ORA-PRO-NÓBIS

Do plantio à culinária!

O Pereskia aculeata é o nome científico da planta Ora-pro-nóbis que em latim significa “rogai por nós”. Também é conhecida popularmente como “carne verde”,  orobrobó, lobrobó e trepadeira-limão, entre outros. Ora-pro-nóbis é uma planta PANC – “Planta Alimentícia Não Convencional” – perene, muito resistente a diferentes tipos de solo. É repleta de valor nutricional, rica em proteínas, por isso o nome “carne verde”, contém fibras, ferro e cálcio, e é uma planta que tem muitas histórias e curiosidades pra contar.

Da história

Conta-se que lá em tempos idos das Minas Gerais enquanto o padre rezava as Ladainhas, os escravos colhiam as folhas da planta no quintal da igreja e em cercas de cemitério. Ao certo ninguém sabe exatamente como e quando ela começou a ser utilizada/introduzida na alimentação como fonte de recurso alimentício.

A certeza?

Na culinária a “carne verde” é toda aproveitada: dos frutos são feitas geleias; as folhas são utilizadas em sucos verdes, no molho pesto, em omeletes, farofas ou refogadas, com alguns temperos da preferência de quem faz e/ou consome. São, também, apreciadas em recheio de tortas e pastéis, e a farinha pode ser adicionada a massas que levem farináceos em suas receitas. As saladas cruas podem ser servidas inclusive com suas flores.

Os mineiros são os mais animados quanto ao seu consumo. Em Sabará* existe até um festival da Ora-pro-nóbis que em 2021, devido a Covid-19, o evento foi on-line. A  “Mostra Gastronômica de Pratos de Pompéu” é um festival onde os participantes precisam criar novas receitas com ora-pro-nóbis e apresentá-la em vídeo contando como foi a inspiração, a história envolvida na criação do prato. O link do resultado do evento e do livro de receitas** está nas referências, logo abaixo, vale conhecer.

Do cultivo

Um cuidado que se deve ter é na hora de podar seus galhos ou colher suas folhas, devido aos seus espinhos serem  longos como agulha de costura, a menor das espetadas é muito dolorida.

Ela cresce e se desenvolve tanto na sombra como em locais ensolarados. É uma cactácea trepadeira folhosa, ou seja, cresce como trepadeira, mas é um cacto, incrível, não?! Em muitos quintais são encontradas decorando cercas, caramanchões ou pergolados.

Sua reprodução se dá tanto por sementes como por mudas produzidas a partir de seus galhos. Depois que você podar, separe os galhos mais grossos e velhos corte-os de 20 a 30 cm de comprimento e enterre uns 5 cm de seu caule; regue com frequência no inicio, até que as raízes se formem ou até quando as folhas começam a brotar. Em, aproximadamente, três meses, você já terá folhas para colher.

Outra forma de plantar que fiz e que deu certo: deixar seus galhos em um recipiente com água até formar as raízes, troque a água diariamente, quando as raízes se formarem, plante-as.

Caso precise de conteúdo mais técnico, deixei nas referências os links da EMBRAPA, lá você encontra informações para cultivo em grande escala, por exemplo.

Antes e depois da colheita de ora-pro-nóbis.

De como a Ora-pro-nóbis chegou até nós

Amar plantas, querer cultivá-las morando em apartamento com crianças não é uma tarefa fácil, mas não é impossível.

É necessário muita paciência, disciplina e observação para conhecer a distribuição de luminosidade e temperatura no espaço, porque algumas plantas se adaptam melhor e com facilidade a lugares iluminados e outras nem tanto.

Quando ganhamos a ora-pro-nóbis de um casal de amigos engenheiros florestais, ela mineira, foi uma alegria especialmente para mim, pois, acreditem, eu queria muito uma muda, mas, aqui no sul, essa planta não era conhecida e, reza  a lenda, que a muda não deve ser comprada e sim recebida como presente ou doação. Eu tinha muita curiosidade sobre o sabor dessa “carne verde” que tem em cada 100 gramas de planta mais proteína que num frango inteiro***.

As mudas que recebemos pegaram e cresceram lindas em vaso e depois transplantei uma muda no quintal do edifício onde morávamos, e outra doamos para a síndica. Outra foi para a casa da família e dali do quintal já deu mais mudas que foram doadas para outras pessoas queridas, inclusive temos mudas dela, de dois meses, num vaso na varanda ensolarada de nosso apartamento.

Se tiver alguém que queira uma muda é só enviar um e-mail para contato@anabalesca.com 

Ana Balesca

Muda com, no máximo, dois meses.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

* http://www.sabara.mg.gov.br/orapronobis/

** http://site.sabara.mg.gov.br/wp-content/uploads/2021/06/livro-de-receitas-virtual-de-pratos-da-gastronomia-do-pompu.pdf

*** https://www.medicina.ufmg.br/observaped/wp-content/uploads/sites/37/2020/06/cartilha_orapronobis_08-06-2020.pdf

https://oeco.org.br/colunas/28083-rogai-por-nos-uma-oracao-em-forma-de-planta/

https://sanctuaria.art/2015/10/23/capela-de-santo-antonio-do-pompeu-sabara-mg/

http://portal.iphan.gov.br/ans.net/tema_consulta.asp?Linha=tc_belas.gif&Cod=1410

 https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1071168/hortalicas-nao-convencionais-hortalicas-tradicionais-ora-pro-nobis

https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1066888/cultivo-de-ora-pro-nobis-pereskia-em-plantio-adensado-sob-manejo-de-colheitas-sucessivas

https://www.embrapa.br/busca-de-solucoes-tecnologicas/-/produto-servico/4567/sistema-de-producao-de-ora-pro-nobis

Deixe um comentário